GRES

Grupo de Estudos Brasileiros em Portugal


Membros:
Investigador responsável: Carlos Mendes de Sousa
Coordenadora-Adjunta: Rita Patrício

Composição do Grupo de Pesquisa CEHUM:

Investigadores doutorados:
Ciências da Literatura: Betina dos Santos Ruiz, Isabel Cristina Pinto Mateus, Luís Mourão, Maria Belém Ribeiro, Maria do Carmo Cardoso Mendes, Orlando Grossegesse, Rui Gonçalves Miranda, Sérgio Paulo Guimarães de Sousa
Ciências da Linguagem: Anabela Leal de Barros

Investigadores não doutorados:
David Smith


Colaboradores de outras universidades:
Abel Barros Baptista, Alva Martínez Teixeiro, Carmen Villarino Pardo, Claire Williams, Clara Rowland, Heike Muranyi, Joana Matos Frias, Miguel Sanches Neto, Osvaldo Manuel Silvestre, Roberto Vecchi, Sara Brandellero.


Descrição do Grupo de Pesquisa:

O Grupo de Estudos Brasileiros em Portugal (GRES) é composto por investigadores do Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho e por investigadores exteriores com reconhecido trabalho académico no âmbito dos estudos brasileiros. A produção científica dos elementos do grupo considerada relevante para os estudos brasileiros segue em anexo.

Muitos dos seus elementos têm vindo a desenvolver intensa investigação no âmbito dos estudos brasileiros, de que tem resultado uma vasta e incontornável bibliografia especializada, reconhecida em Portugal e no Brasil. Para além disso, têm vindo a organizar sistematicamente colóquios, seminários, ciclos de conferências, que têm contribuído para um produtivo aprofundamento científico desta área de estudos. Têm sido igualmente protagonistas de múltiplas acções de divulgação, perante um público mais alargado, da literatura e cultura brasileira em Portugal, como, por exemplo, o demonstram as edições de obras nucleares da literatura brasileira em Portugal.

Este grupo de pesquisa visa a reunião destes investigadores, que até agora têm vindo a concentrar o seu trabalho científico no âmbito dos estudos brasileiros, com outros investigadores, cujo estudo tem privilegiado outros domínios científicos, em particular a teoria da literatura, os estudos interartísticos e as literaturas portuguesa e africana. A possibilidade de integrar novas abordagens críticas nos estudos brasileiros, decorrentes de outras perspectivas analíticas e do confronto com outros corpora estéticos, permite rever parte do conhecimento herdado e produzir novas leituras dos tópicos em análise. A particular constituição do grupo, que parte da associação de especialistas em estudos brasileiros com investigadores de especializações diversas, garante, por um lado, uma investigação de primeira linha neste domínio particular, e por outro, a sua abertura a outras perspectivas críticas.

O GRES pretende explorar estas potencialidades de pesquisa proporcionadas pela sua constituição. Ao desenvolver projetos de investigação que privilegiam o cruzamento de textos – de distinta natureza, como os literários, os pictóricos, os fílmicos, os musicais –, de diferentes proveniências (brasileira, africana, portuguesa ou de outras proveniências europeias), procura-se uma reflexão sobre os processos representacionais e identitários, mas sob um ponto de vista relacional, de receção produtiva, de reconfiguração e transmutação dialéctica entre Europa, Brasil e África. Este é o traço distintivo que garante a diferença deste Grupo de pesquisa, relativamente aos demais grupos de investigação sobre cultura e literatura brasileira no Brasil.


Estrutura organizativa do Grupo de Pesquisa:

O trabalho de investigação do Grupo será estruturado em torno de duas linhas fortes de indagação, que denominadas Estudos interartísticos e Identidades em questão.

Linha 1) Estudos interartísticos

Esta linha de investigação pretende considerar as relações entre as artes plásticas, o cinema e a música e a literatura. Esta investigação terá preferencialmente como objeto de estudo autores brasileiros modernos (projetos de estudo de autores como João Cabral de Melo Neto, Murilo Mendes, Manoel de Barros) e contemporâneos (por exemplo, projetos de estudo das propostas plástico-literárias de Nuno Ramos; de Laura Erber; de estudo do texto fílmico de Joaquim Pedro sobre Manuel Bandeira).

Nesta linha de investigação, inserem-se os projetos que, numa perspetiva comparativista, confrontam distintas tradições interartísticas, a brasileira e a portuguesa, por exemplo.

Investigadores com projetos neste domínio: Carlos Mendes de Sousa, Joana Matos Frias Isabel Cristina Mateus, Luís Mourão Rui Miranda, Rita Patrício, Maria Belém Ribeiro, Osvaldo Silvestre.

Linha 2) Identidades em questão

Os investigadores do grupo visam proceder a uma releitura de património europeu, para que se repense a autodefinição no discurso de identidade brasileira, colocando-o em plural, sugerindo a reciprocidade e a variedade de apropriações culturais e literárias.

Esta linha de investigação pretende estudar as (re)configurações do Brasil noutras literaturas. Neste âmbito inserem-se os projetos de estudo das (re)configurações do Brasil na literatura portuguesa e as (re)configurações de Portugal na literatura brasileira; de estudo das (re)configurações do Brasil na literatura alemã e na tradução de literatura brasileira para alemão (por exemplo, C. Meyer-Clason); de estudo das relações literárias entre Portugal, Brasil e Cabo Verde (estudando, por exemplo, a relação da literatura modernista brasileira com o movimento claridoso e pós-claridoso).

Nesta linha de investigação, serão ensaiadas leituras da ficção contemporânea, contemplando as relações entre literatura e identidade (projetos de estudo da recriação do Oriente realizada por diferentes autores, como Raduan Nassar, Milton Hatoum, Alberto Mussa, Salim Miguel ou Tatiana Salem-Levy) e entre literatura e violência.

No âmbito desta linha de investigação, pretende-se também contribuir para o estudo da genealogia da brasileiridade, através do levantamento, edição e estudo de material inédito (por exemplo, projeto de edição e estudo de textos que, nos cancioneiros barrocos, referem aspectos da história e da sociedade da época, no Brasil).

Investigadores com projetos nestes domínios: Anabela Leal de Barros; Orlando Grossegesse; Alva Martínez; Maria do Carmo Cardoso Mendes; Rui Miranda.

Os membros do grupo não se dividem de modo estanque por estas duas linhas de investigação, ainda que possam privilegiar uma delas no desenvolvimento do seu trabalho. A delimitação destas duas linhas visa estruturar a investigação do grupo em torno de dois eixos de pesquisa que se espera virem a revelar-se complementares, ainda que metodologicamente distintos; a primeira circunscreve a sua análise aos estudos interartísticos, centrando-se na relação entre as várias formas de comunicação artística e partindo desse corpus para uma reflexão sobre os processos de representação e de (des)construção de identidade neles envolvidos; o segundo toma precisamente a questionação das identidades como seu ponto de partida.

Serão desenvolvidos e apoiados, no âmbito do GRES, outros projetos dos investigadores do grupo, que poderão não se inserir directamente nestas linhas de investigação (por exemplo, estudos de cariz monográfico), ainda que correspondam aos propósitos do grupo, ou seja, o estudo de objectos próprios dos estudos brasileiros a partir de uma perspectiva relacional.


Objetivos de Grupo de Pesquisa:

Dinamização regular da investigação dentro do grupo.

Prevê-se a realização anual de seminários, subordinados a um tema específico, em que os membros do grupo envolvidos apresentam e debatem os trabalhos que estão a desenvolver. Preferencialmente destinados à discussão interna do grupo, podem ser abertos à comunidade científica, contando com participantes convidados, sempre que o GRES assim o entender. Em cada ano será privilegiada uma das linhas anteriormente delimitadas. Prevê-se a continuação de realização de ciclos de Literatura Brasileira na Universidade do Minho, assim como de outros eventos culturais.


Apresentação de resultados a obter/obtidos

O GRES realizará, a partir de 2015, conferências anuais que contarão com ampla participação de investigadores convidados. Estes encontros privilegiarão as linhas de investigação já elencadas.

Para além disso, todos os membros do grupo apresentarão os resultados do seu trabalho em comunicações, conferências, seminários e outros eventos científicos e culturais.

É de prever que parte desta produção resulte na publicação de livros, seja como resultado da selecção das contribuições nos Colóquios anuais, seja como resultado final da discussão havida nos seminários semestrais.

O GRES incentivará ainda outras propostas de edição atinentes à investigação desenvolvida no âmbito dos seus projetos.

Estando parte do grupo envolvido na leccionação de seminários do Curso de Doutoramento em Modernidades Comparadas, a ser ministrado no ILCH, Universidade do Minho, é esperado e desejável que parte do trabalho de orientação de teses de doutoramento venha a estar abarcada no âmbito dos projetos a serem desenvolvidos por este grupo de pesquisa, contribuindo o GRES para a formação de novos investigadores.


Definição da pertinência e interesse da investigação a levar a cabo

À aparente aproximação sociocultural entre os dois países (visível, por exemplo, na intensificação de intercâmbios universitários ou, mais genericamente, nos crescentes fluxos migratórios em ambos os sentidos geográficos) parece corresponder uma cristalização das imagens presentes nos discursos instituídos, discursos e imagens que, muitas vezes, repetem as diferenças e os diferendos herdados e que reconstruídos continuadamente. Importará, pois, reexaminar a tradição dessa tradição e submetê-la a uma nova perspetiva analítica. Cada vez mais, por outro lado, a proliferação, na cena artística brasileira, de objectos que se apresentam como tipologicamente híbridos renovam, favorecem e fundamentam o interesse pelos estudos interartísticos. As duas orientações maiores do projeto do grupo encontram-se assim claramente justificadas.

Todo o conhecimento produzido no âmbito dos estudos brasileiros em Portugal revela-se hoje de uma importância estratégico-política incontornável. Para além de constituir um fim em si mesmo, e de contribuir para ler melhor as relações entre as duas culturas, num momento em que a mercantilização planetária da esfera cultural é absolutamente inescapável, a afirmação institucional da literatura portuguesa no mundo terá de implicar a consciência crítica das suas relações com a literatura brasileira.